Sintomas do Câncer de Garganta


Conheça todos os sintomas do Câncer de Garganta e saiba como agir caso apresente algum deles.

O câncer de orofaringe, ou usualmente chamado de câncer de garganta, é um tipo de câncer que compromete completamente a saúde da nossa laringe, faringe, esôfago e amígdalas e, portanto, não deve ser ignorado. No mundo atual esse tipo de câncer vem sendo uma das formas mais perigosas da doença, já que a falta de sintomas contundentes nos impede de conseguir um diagnóstico na fase inicial da doença. Levando isso em consideração, vamos compartilhar em detalhes alguns dos sintomas e sinais que podem ser muito úteis para um diagnóstico precoce.

CÂNCER DE GARGANTA
  • Mudanças na voz

O crescimento anormal das células na garganta pode começar nas cordas vocais, por isso uma das primeiras manifestações do câncer de garganta são rouquidão e outras mudanças perceptíveis no tom da voz. Apesar de ser um problema comum quando originado de uma infecção da região ou problemas associados ao cigarro, o prolongamento da rouquidão ou da mudança repentina da voz por mais de duas semanas é motivo o suficiente para consultar um médico.

  • Dor na garganta

É difícil considerar uma simples dor na garganta como sintoma de câncer, porque muitas das vezes esse sintoma é produto de uma infecção ou doença comum do nosso sistema respiratório. No entanto, quando se torna persistente demais ou vem de maneira intermitente, é importante sabermos a origem dessa dor. Apesar desse sintoma ser tão comum a qualquer pessoa, ele pode sim ser decorrente da formação de tumores na região da garganta. Esteja alerta!

  • Mau hálito

Embora esse sintoma nem sempre pareça ameaçador e sinal de câncer de garganta, um problema de mau hálito que não desaparece mesmo com bons hábitos de higiene bucal precisa nos deixar alertas para uma possível condição que exige um cuidado maior. As pessoas que desenvolvem essa doença passam a ter muita dificuldade para controlar o mau odor em sua boca, que persiste mesmo com o uso das melhores pastas dentais, enxaguantes e outros produtos especiais.

  • Sensação de sufocamento

A sensação de falta de ar ou sufocamento é um sintoma que pode nos dizer que há uma obstrução nas vias respiratórias. Aparece como resultado de uma infecção grave no sistema, mas também pode ser a presença de tumores.

  • Protuberância no pescoço

O surgimento de protuberâncias no pescoço também pode ter diversas origens, mas no caso do câncer em particular, costuma ocorrer porque o tumor tem a capacidade de se espalhar até os gânglios linfáticos localizados na região da garganta. Esse sinal é considerado grave, pois quando ele começa significa que o câncer já está agravado.

  • Tosse

Pessoas com alergias ou doenças respiratórias costumam ter tosse habitual, que é uma resposta de seus sistemas imunológicos diante da presença de agentes estranhos. Quando há algum problema na garganta, que é parte do sistema respiratório, esse sintoma pode ser crônico. No caso do câncer, no início se manifesta como uma tosse seca e irritação da região, e mais tarde, quando o tumor avança, pode criar úlceras e sangramentos.

  • Respiração barulhenta

Quando o câncer de garganta não é tratado de forma precoce, as células continuam se dividindo e causando muitos danos ao tecido das regiões afetadas e, como consequência, ocorre uma obstrução dos condutos respiratórios, se manifestando com um som estranho toda vez que a pessoa inspira. Esse ruído é chamado de estridor laríngeo, que é quando há um estreitamento na abertura que há entre as cordas vocais. Se não for detectado e tratado o quanto antes, o câncer pode bloquear por completo essa abertura e causar até mesmo uma asfixia, levando a óbito.

  • Dificuldade para engolir
SINTOMA DO CÂNCER DE GARGANTA

A maior parte dos pacientes com câncer de garganta experimentam uma perda significativa de peso causada por uma grande dificuldade de engolir os alimentos. A abertura do esôfago se estreita com a presença do tumor e faz com que os alimentos fiquem presos ao serem ingeridos. Também ocorre um enfraquecimento muscular que faz com que aconteçam episódios de refluxo ácido.

LEIA TAMBÉM: OBESIDADE AUMENTA O RISCO DE 14 TIPOS DE CÂNCER, SEGUNDO ESTUDO SOBRE A DOENÇA.

O que fazer quando sentir algum dos sintomas do câncer de garganta?

Nos EUA estima-se que 90% desse tipo de câncer são diagnosticados na fase inicial, quando o tumor está com um tamanho de, no máximo, 2 centímetros. No nosso país, é o oposto. A mesma porcentagem dos tumores está em estágio avançado no momento em que são diagnosticados. Significa que o que deveria ser um tratamento simples, prático e barato para os pacientes (se descoberto em fase inicial) passa a ser com seu diagnóstico tardio um tratamento com maior valor financeiro, com uma cirurgia mais complexa e invasiva e com aplicações severas de rádio e quimioterapia.

Ao sentir qualquer um dos sintomas citados neste artigo, não se desespere. Todos são bem comuns a qualquer pessoa e por isso não precisamos nos desesperar de início, apenas tratar deles como um problema menor e esperar. Devemos nos manter atentos é para qualquer persistência dos sintomas, porque ao observarmos a permanência deles por mais de 15 dias, pode sim significar um câncer na garganta, então com isso necessitamos procurar um profissional o quanto antes.

LEIA TAMBÉM: PREVENÇÃO AO CÂNCER – VAMOS SALVAR VIDAS?

Tratamento e prevenção para o câncer de garganta

De acordo com o grau de avanço do câncer e do estado de saúde do paciente, ele pode ser tratado com radioterapia, associada ou não com cirurgias e com quimioterapia. Quanto mais precocemente for feito o diagnóstico, maior a possibilidade de o tratamento evitar deformidades físicas e problemas psicossociais, já que esse tipo de câncer pode afetar respiração, fala e deglutição. Como preservar a voz é muito importante para a qualidade de vida do paciente, as vezes a radioterapia é feita primeiro, deixando as cirurgias para quando a radioterapia não for suficiente para controlar o tumor.

Prevenção

Alguns hábitos podem aumentar o risco de desenvolver o câncer de garganta, mas fazer uso deles não significa necessariamente desenvolver um tumor, são eles:

Idade: o risco aumenta conforme a idade avança. Quase metade dos pacientes tem mais de 65 anos.

Fumo:  é o principal fator de risco para o desenvolvimento de câncer de garganta, entre outros tumores associados ao uso de cigarro.

Álcool: sozinho já pode ser considerado um fator de risco, principalmente quando se trata de alcoolismo. Combinado com o fumo, o risco se multiplica.

 HPV: oncologistas apontam que grande parte dos tumores dessa região em jovens tem associação com o vírus Papilomavírus humano, portanto, deve-se também ter cuidado com as relações sexuais.

Substâncias químicas:  exposição a substâncias como amianto, níquel e gases de ácido sulfúrico também aumenta o risco de tumores na garganta.

LEIA TAMBÉM: HÁBITOS QUE AJUDAM A PREVENIR O CÂNCER